Core Training: muito além do abdominal

Exercício físico: treinar menos que 1 hora por dia não faz efeito?
02/09/2014
Treinamento funcional e core training: definição de conceitos com base em revisão da literatura
02/09/2014

Você já ouviu falar em core training?

Core é um termo da língua inglesa que corresponde à parte central ou à parte mais importante de alguma coisa (Faries e Greenwood, 2007).

No corpo humano, o core compreende a região entre o osso esterno e os joelhos, com foco nas regiões abdominal, lombar e do quadril. Em outras palavras, é a região central do corpo (Santana, 2005).
Sendo assim, core training pode ser entendido como o treinamento das regiões abdominal, lombar e de quadril.

Por influência cultural, as pessoas tendem a valorizar o treinamento dos músculos abdominais em relação aos demais músculos que compreendem a região central do corpo.

Se fizermos uma análise histórica de nossas vidas, chegaremos à conclusão semelhante. Na infância, por exemplo, nas aulas de educação física escolar, existia o famoso “paga dez”. O “paga dez”, geralmente, era baseado na execução dos exercícios de polichinelo, flexão de braços e abdominais.

Já na adolescência, os indivíduos costumavam praticar modalidades esportivas competitivas, em que os treinadores adotavam o mesmo “paga dez” presente na educação física escolar. Você já “pagou dez” executando exercícios para a região lombar?

Na fase adulta, as pessoas são mais influenciadas pelo marketing presente nos meios de comunicação, dentre os quais, a televisão. Poucas horas de observação em qualquer canal de vendas, permitem ao indivíduo tomar conhecimento de uma série de equipamentos voltados ao trabalho dos músculos abdominais: Ab King Pro, Ab Shaper, Ab Swin, Ab Toner, entre outros.

Você já escutou falar em Lumb King Pro, Lumb Shaper e Lumb Swin? Esses, supostamente, seriam os aparelhos destinados ao trabalho da região lombar, porém, eles não existem!

Continuando nossa análise histórica, a pessoa, depois de adulta e influenciada pela mídia, ingressa em programas orientados de exercícios físicos com objetivos prioritariamente estéticos, sendo que, geralmente, valorizam a estética abdominal.

Sendo assim, os alunos chegam à academia e dizem: “Professor, quero ficar forte e com o abdominal definido”. Você já escutou algum aluno dizer: “Professor, quero ficar forte e com a região lombar definida”? Eu, particularmente, nunca escutei.

Após toda essa vivência e com a forte influência cultural que, infelizmente, atinge o âmbito profissional, os profissionais do exercício tenderão a enfatizar a prescrição dos exercícios abdominais, negligenciando aqueles destinados ao desenvolvimento dos demais músculos do core. Essa ainda é uma realidade presente nas academias.

A supervalorização dos músculos abdominais e a negligência ao trabalho dos demais músculos, incluindo seus antagonistas, tende a gerar desequilíbrios musculares. Segundo Verderi (2005), todo desequilíbrio que ocorre nas cadeias musculares leva a um desequilíbrio do tônus muscular e à má postura.

Graves e Franklin (2001) afirmam que uma crença comum nas comunidades de reabilitação e exercício é que o condicionamento dos flexores do tronco (abdominais) deveria ser a prioridade nos protocolos de treinamento para aliviar ou prevenir as dores na região lombar. No entanto, evidências atuais sugerem que a fraqueza na musculatura lombar (resultante do desuso) está intimamente ligada à dor na região lombar, em vez da fraqueza dos abdominais.

 

Assista à vídeo-aula do prof. Cauê sobre Core Training

 

Se tomarmos como base a proporção fisiológica natural de força entre flexores e extensores do tronco, que é de 1:1 (Bompa, 2001), a prescrição de exercícios para tais musculaturas deveria ser proporcional, ou seja, 1:1. Porém, essa ainda é uma realidade distante da que vivemos. Portanto, chegou o momento de analisarmos nossa conduta profissional! Para isso, devemos separar e distinguir dois conceitos distintos: conhecimento técnico e crença cultural.

A prescrição do exercício deve levar em consideração, prioritariamente, o conhecimento técnico. Isso engloba os conceitos de anatomia, fisiologia humana e do exercício, cinesiologia e biomecânica, bioenergética, dentre outras disciplinas que aprendemos e abandonamos lá na graduação.

A partir do momento em que a influência cultural se sobressai ao conhecimento técnico, algo está errado. Reflita, repense, reformule suas idéias! Falo mais sobre core training no livro MUSCULAÇÃO FUNCIONAL.

 

Referências
BOMPA, T.O. A periodização no treinamento esportivo. São Paulo: Manole, 2001.
FARIES, M.D.; GREENWOOD, M. Core training: stabilizing the confusion. Strength and Conditioning Journal. 29(2): 10-25, 2007.
GRAVES, J.E.; FRANKLIN, B.A. Treinamento resistido na saúde e reabilitação. Rio de Janeiro: Revinter, 2006.
SANTANA, J.C. Strength training for swimmers: training the core. Strength and Conditioning Journal. 27(2): 40-42, 2005.
VERDERI, E. Programa de educação postural. 2 ed. São Paulo: Phorte, 2005.


Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (0) in /home/caueteixeira/public_html/wp-includes/functions.php on line 3743

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (0) in /home/caueteixeira/public_html/wp-includes/functions.php on line 3743