5 erros comuns na hora de contratar um Personal Trainer

Quanto ganha um Profissional de Educação Física?
16/08/2017

Saiba quais são os erros mais comuns na hora de contratar um Personal Trainer e evite cometê-los!

I. Escolher o mais barato: para se estabelecer o preço de um determinado serviço, vários fatores devem ser considerados, desde a característica do serviço até os valores agregados. No caso do Personal Trainer, entende-se que um serviço de qualidade requer investimento contínuo em conhecimento técnico e em estrutura (equipamentos e acessórios para avaliação e treinamento). Portanto, o baixo preço pode ser uma armadilha. Lembre-se do velho ditado: “o barato pode sair caro”.

Veja os resultados da pesquisa sobre os investimentos de um Personal Trainer

II. Não verificar formação e registro profissional: para atuar como Personal Trainer, o profissional deve possuir graduação em Educação Física (Bacharelado) e registro no conselho da classe (CREF/CONFEF). Pessoas que contratam Personal Trainers sem verificar formação e registro profissional correm o risco de entregarem sua saúde a falsos profissionais. Já imaginou ser submetido a um procedimento cirúrgico com um falso médico.

III. Ignorar a expertise profissional: ninguém consegue ser bom em tudo e, por isso, o caminho mais comum após a habilitação profissional (graduação) é a especialização. Esse caminho contribui para a formação de profissionais com expertises em determinadas áreas do conhecimento e esses profissionais tendem a obter mais sucesso nessas áreas em relação a outros que não apresentam as mesmas expertises. Portanto, confrontar os seus objetivos com as expertises do personal trainer será sempre uma boa ideia.

IV. Escolher pela aparência física: um belo par de bíceps pode não representar um belo cérebro. O personal training é um serviço muito mais intelectual do que físico, pois avaliação, prescrição e supervisão de treinamento estão atreladas ao conhecimento técnico e não ao condicionamento físico do profissional. Portanto, embora uma boa aparência física transmita a falsa ideia de competência profissional, ela pode representar pura e simplesmente um privilégio genético. Uma boa embalagem não necessariamente traz um bom conteúdo.

V. Não ter referência: contratar um serviço “no escuro” significa assumir uma probabilidade de insucesso na ordem de 50%, ou seja, um grande risco para sua saúde e bem estar. Com o advento da internet, obter informações sobre as credenciais de algum profissional ficou mais fácil e ignorar essa possibilidade pode não ser uma boa ideia. Bons profissionais deixam clientes satisfeitos e o contrário também é verdadeiro. Portanto, um bate-papo com clientes e ex-clientes do personal trainer pode ajudar a tomar a decisão correta.

“Se você acha que custa caro um profissional, é porque não faz ideia de quanto custa um incompetente.”